Sábado, 27 de Junho de 2020

Todos pensam salvar Portugal

Estes 46 anos de Democracia pandémica que os portugueses têm vivido, umas vezes de loucura desvairada, como foram os anos seguintes ao 25 de Abril, em que Portugal era considerado um “Manicómio em autogestão”. As bancarrotas eram iminentes, até a esta pandemia de falta de ar e morte, por tudo os portugueses têm passado. E escusavam. Todos ou quase todos aceitámos o 25 de Abril, que Marcello tinha permitido. Quem deu cabo do evento foi o infame Cunhal e os comunistas de sequeiro, que minam Governo, Parlamento, Ministérios, Câmaras Municipais e Instituições onde instalaram papagaios que, obedecendo às ordens dos chefes, divulgam textos de propaganda comunista, ou social-fascista, como muitos apelidam os comunistas, destruidores da ordem e da paz com greves, encontros e festas virais, sem medo de retaliações em tempo de proibição por causa da pandemia.

A pandemia comunista usa a Democracia para fazer tudo quanto quer.

Democracia que eles invocam para se proteger.

Enquanto os Governos estiverem agarrados à Democracia de fancaria e não à Democracia da igualdade, lealdade, saber, conhecimento, verdade, Portugal nunca mais se endireita. Com vírus ou sem vírus não passará de um caso perdido, à espera que a Espanha lhe deite a mão. O pior, é que os espanhóis não estão melhores que nós. Há ainda, em Espanha, tipos sem escrúpulos que estão a remoer a derrota dos vermelhos e a pusilanimidade dos brancos que fazem tudo para ocupar cargos que não estão preparados para servir.

A Democracia espanhola pouco se diferencia da Democracia Portuguesa. A pandemia é semelhante.

Quando penso na simplicidade como Salazar recuperou o País depois da pandémica Primeira República, verifico que ele utilizou três ingredientes fundamentais para tirar Portugal da asquerosa miséria em que se encontrava.

Utilizou a terra, o mar e as festas.

Induziu os trabalhadores rurais a regressar ao trabalho dos campos.

No mar, em pouco tempo, tinha mais de 60 mil pescadores.

Salazar juntou, ao trabalho braçal, festas, alegria e riso que tinham deixado de existir numa Primeira República onde o sofrimento, as greves, as prisões e a morte eram o dia-a-dia de um povo que há muito vivia em permanente inquietação.

O ser humano precisa de rir e descontrair para ser feliz, para trabalhar e produzir.

Salazar ao desenvolver a estratégia que há muito imaginava para arranjar dinheiro que fizesse funcionar o Estado, sem estar dependente das afrontas internacionais, tem a certeza que os campos e o mar, bem orientados e organizados fariam funcionar todos os outros sectores e dar sustento a centenas de milhares de famílias. Mas para isso tem de levantar o espírito do povo. As Bandas militares passam a tocar, todas as semanas, nos coretos dos jardins; os cinemas ao ar livre aparecem por todo o lado. As festas e bailes levantam a alma, enrijecem os braços e enchem os celeiros e as lotas de pescado. As cantigas ao desafio voltam a ecoar pelos ares. Na década de sessenta as casas de espetáculos estão permanentemente cheias.

Salazar tem um escol de gente impar que serve o Governo, tanto nos Ministérios como nas outras Instituições do Estado.

Ninguém pensa em si. Todos pensam salvar Portugal.

 

Anterior “Um país só é pobre quando está desorganizado”

C.S

publicado por regalias às 06:15
link | comentar | favorito
1 comentário:
De Sassão a 27 de Junho de 2020 às 08:05
Esse Portugal que refere, das festas e cantares ao desafio, é o transmitido pela política de propaganda do Estado Novo.
Nada tem a ver com a realidade de um povo em que a taxa de mortalidade infantil era das mais altas da Europa, o índice de escolaridade dos mais baixos.
A miséria era tal e tão pungente que levou a êxodos de emigração.
Nem falando na tortura e nas mortes por discordância com as políticas.
Não temos tido governos de jeito, é certo. Mas não é de bailaricos e cantorias que precisamos. E muito menos de quem nos mande calar, ou nenhum de nós estaria aqui a manifestar a sua opinião.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Até aos drogados lhes fal...

. Antena1 sucessora dos te...

. Profissionais competentes...

. Programas em reposição na...

. Chega, tem razão. Não há ...

. Pobreza tem de acabar. Os...

. Na cama, papel e lápis sã...

. O medo e o prazer de apre...

. Corromper a juventude atr...

. Portugal não é um País pe...

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds