Domingo, 28 de Junho de 2020

Trinta Casas assistiam 60 mil pescadores

Tal como acontecia com as Casas do Povo, o mesmo se passava com as Casas dos Pescadores.

Salazar, enquanto não encontrava o Homem certo para  entregar tarefas que não podiam falhar era ele próprio que estudava tudo ao pormenor, ouvindo simples marinheiros e comparando sugestões.

Enquanto não arranjou dinheiro para ter um navio hospital de apoio, aos pescadores do bacalhau nos mares da Terra Nova e da Gronelândia, não descansou. Assim aparece um dos mais modernos hospitais do Mundo, o Gil Eanes.

Ao Primeiro-Tenente Henrique Tenreiro confiou Salazar o apoio a todos os pescadores.

Desde as Casas dos Pescadores, com a ajuda da Junta Central dos Pescadores, estes trabalhadores do mar e as famílias tinham suporte quase ilimitado, bairros com boas casas a que tinham direito ao fim de 30 ou quarenta anos, com uma renda simbólica, a assistência médica e medicamentosa, colónias de férias para os filhos, e Casas de repouso e Lares para os mais idosos.

Os trabalhadores recebiam o agradecimento de um País que eles alimentavam depois de vários anos de fome e vida miserável.

Salazar sabia que o mundo rural e o mar podiam salvar Portugal. As outras fontes de rendimento eram escassas; para as fazer funcionar tinha de fazer dinheiro que não existia.

Para aumentar as capacidades de todos usou a Escola, mais cedo do que teria pensado. No mundo rural a tarefa foi complicada. Muitas vezes os professores tinham de ir buscar os alunos e convencer os pais que era para seu benefício: eles diziam que sim, mas os filhos faziam-lhes falta para o trabalho e não apareciam.

Com os filhos dos homens do mar foi diferente: entusiasmados para irem, mais tarde trabalhar com os pais, foram criadas Escolas, essencialmente técnicas, com três graus: rudimentar, elementar e profissional, a que os jovens se aplicavam entusiasmados, chegando rapidamente a profissionais.

Havia escolas na Ericeira, Nazaré, Portimão, Porto, Póvoa de Varzim, Setúbal, Viana do Castelo, Vila do Conde, Matosinhos, Tavira, Funchal, Horta, Ponta Delgada e Lisboa, que estava sempre cheia.

Salazar ao garantir a mais de sessenta mil Homens do mar e a suas famílias uma total e eficaz assistência tinha a certeza que esta confiança seria multiplicada muitas vezes e faria pensar os outros milhões de portugueses que voltavam a acreditar nos Governantes, e na força mental e de trabalho de Salazar que comia sardinhas como eles, feijão pequeno e um copito de vinho tinto, que também, segundo ele, “beber vinho dava de comer a um milhão de portugueses.”

Salazar tinha a mesma boca que eles e os mesmos gostos. Tinham de trabalhar para bem de Portugal. Podiam acreditar no Homem.

 

Anterior “ Todos pensam salvar Portugal”

C.S

publicado por regalias às 06:45
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Até aos drogados lhes fal...

. Antena1 sucessora dos te...

. Profissionais competentes...

. Programas em reposição na...

. Chega, tem razão. Não há ...

. Pobreza tem de acabar. Os...

. Na cama, papel e lápis sã...

. O medo e o prazer de apre...

. Corromper a juventude atr...

. Portugal não é um País pe...

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds