Segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Vivo com o pior dos homens, vivo comigo

Sou o pior dos homens e conheço os meus defeitos.

O grave do problema é que muitos portugueses também são assim o que me entristece e me dá um carácter azedo na descontração e boa disposição que aparento.

Por mais que me tente emendar continuo um tigre à solta que percorre a selva como bem entende sem prestar contas a ninguém.

Há mais de dois mil anos, Sérvio Galba, no século III A.C, referia que tinha informações que na parte mais ocidental da Ibéria havia um povo muito estranho: "não se governa nem se deixa governar". Falava dos Lusitanos que estão na Ibéria desde o século VIII A.C.

Salazar conhecia este espírito indomável dos portugueses e aproveitou aquilo que os outros povos classificam de defeitos para lhes exaltar as qualidades.

Através de uma política inteiramente virada para o povo, Salazar, consegue captar a sua confiança.

Os campos voltam a ser semeados na totalidade. A floresta floresce como nunca tinha acontecido e lavradores e trabalhadores rurais dão de comer a todo o país sem fazer importações e criar mais dívida do que aquela que a Primeira República tinha deixado e que a Ditadura Militar não tinha conseguido resolver.

Quando Salazar aceita o Ministério das Finanças, são os próprios militares que lhe asseguram a paz necessária para levar o projeto adiante. Eram os mesmos militares que em 1922 tinham garantido ao Governo de então que o exército assumiria o encargo de assegurar a ordem, depois do escabroso assassinato de António Granjo, Primeiro-Ministro, e de Machado dos Santos, o único homem a quem se deve verdadeiramente a implantação da República em 1910.

Como não conseguiram esse desiderato, Gomes da Costa e Mendes Cabeçadas afirmam que vão Governar em Ditadura, mas é Óscar Carmona que assume esse desejo manifestado pelo povo que vivia miseravelmente, por causa da instabilidade dos governos e da falta dos alimentos mais comezinhos.

Quando oiço na Antena 1, nas quintas-feiras à tarde, uma atrasada mensal espanhola falar em Ditadura Portuguesa sem fazer ideia do que está a falar apetece-me desmontar a ignorante. Vamos ver se me consigo conter.

Eu sou filho deste País, mas desde muito novo sempre me senti cidadão do mundo. Por onde andei e trabalhei sempre o fiz com prazer.

Quando voltava a Portugal sentia primeiro uma alegria imensa e aos poucos entristecia. Achava que ele podia ainda ser melhor.

Para mim, Portugal era o País onde eu me sentia totalmente livre. Em todos os outros havia sempre regras que obrigatoriamente tinha de cumprir. Aqui podia haver regras, mas só as cumpriam aqueles que são naturalmente cumpridores.

Eu que nunca fui militar tenho imensos amigos militares que foram meus colegas de estudo e que eram tão ou mais irreverentes do que eu. Quando lhes pergunto se eles alguma vez sentiram falta de liberdade antes do 25 de Abril, mesmo que o possam dizer contrariados, todos eles afirmam que sempre disseram e fizeram o que lhes dava na gana.

Quando publiquei em 2007 o livro “Salazar vítima da ignorância”, termino dizendo que “Nada do que me possa acontecer me preocupa porque morri de tristeza”.

Contínuo triste e desiludido comigo próprio porque o meu País está triste e ainda não consegui pensar a maneira de tornar felizes todos os portugueses.

C.S

publicado por regalias às 05:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Fascismo sem fascistas e ...

. Cunhal teve ideias premon...

. António Ferro, como era d...

. Deputados palhaços ou Dep...

. Quanto tens, quanto vales

. Incompetência ou falta de...

. Isto não é um mundo de ge...

. Esplendor de Portugal atr...

. Catalunha é mais poderosa...

. No País dos loucos salvem...

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

blogs SAPO

.subscrever feeds